Home

DREA

Escolas e Agrupamentos

  Home
  Dados da Escola
  Cartão de Visita
  Orgãos de Gestão
  Calendário Escolar
  Horários dos Serviços
  Outros Órgãos da Escola
  Pólos
  Actividades Online
  Projecto Educativo
  Plano Anual de Actividades
  Projecto Curricular da
Escola
  Regulamento Interno
  Projectos
  Directores de Turma
  Indicadores
  Manuais Escolares
  Ligações Úteis
  Notícias

Escola Básica Cristóvão Falcão, Portalegre (EB2,3)

PRINCÍPIOS E FINALIADES DO PROJECTO


Uma gestão por projecto é, por definição, uma gestão que se rege por princípios e finalidades globais. Naturalmente que estes são os que decorrem em primeiro lugar de estipulado na Lei de Bases do Sistema Educativo (lei n.º 46/86) e que se vieram a consagrar no que diz respeito à gestão escolar no Dec. Lei nº 115/A-98. A observância destes princípios é particularmente importante no processo que leva ao desenvolvimento do projecto e planos de actividade dele decorrente bem como em todos os actos de gestão e administração.


1) Princípio da gestão participativa Finalmente, a estrutura organizacional de Escola, decorrente da aplicação do 115-A/98, contempla instâncias de decisão colectiva, baseadas quase sempre nos princípios de democracia representativa, que são o conselho pedagógico e a assembleia de escola, fundamentalmente. Estes órgãos de administração e gestão de escola constituem estruturas formais de participação importante e o modo como são constituídos, o âmbito de competências que possuem, e a maneira como as exercem podem influenciar de maneira decisiva a vida democrática de Escola! Agrupamento. Aprofundar uma cultura da participação passa, pois, por aperfeiçoar o funcionamento interno daquelas estruturas. Também as estruturas de Orientação Educativa, Conselhos de departamento, Conselhos de Docentes, Conselhos de Directores de Turma, representam mecanismos onde é fundamental a discussão de ideias e a construção de consensos com vista a metas comuns e, naturalmente decisões pragmáticas, claras e assumidas por todos. "Na escola todos somos gestores" como afirma J. A. Allen? Mais à frente se abordará a questão das reuniões que uma cultura de participação naturalmente implica. (v/ Cap: Funcionamento das estruturas de gestão e administração)


2) Princípio da democraticidade das decisões Este princípio deve simultaneamente ser a regra e deve constituir a base de desenvolvimento de outros princípios não menos importantes como: -A negociação -A comunicação -A circulação de informação Igualmente imprescindíveis como norma, no incentivo e motivação para a participação.


3) Princípio da transparência nos actos de gestão e administração Naturalmente que a participação, a democraticidade das decisões, a negociação e a circulação da informação concorrem para este princípio, mas, ao invés, só poderá ser verdadeiramente exercidas se a atitude do Conselho Executivo for aquele princípio.


4) Princípio da equidade e justiça É imprescindível nas relações interpessoais de toda a comunidade escolar do Agrupamento e também fundamentalmente nas relações entre o Conselho Executivo e esta comunidade. Estes princípios podem ser desdobrados nas seguintes Finalidades para este Projecto Educativo.


FINALIDADES DO PROJECTO - Melhorar a eficácia do funcionamento do Agrupamento que venha a traduzir-se no sucesso real dos alunos e na sua integração escolar e social.


- Procurar consensos dos vários intervenientes na resolução de problemas comuns.


- Promover a troca de experiências e a boa comunicação e articulação na acção educativa entre os vários professores das escolas do Agrupamento.


- Promover uma boa articulação entre as actividades curriculares disciplinares e não disciplinares, de modo a rentabilizar recursos materiais e humanos e quebrar o isolamento das escolas mais pequenas.


- Tornar a comunicação e circulação interna de comunicação.


- Fazer das escolas do agrupamento locais aprazíveis e agradáveis, atraentes para todos os que nelas trabalham em especial os alunos, que motivem propiciem a realização pessoal e profissional de toda a comunidade escolar.


- Fazer da escola do Agrupamento, espaços de afecto nas relações com os alunos, mas também de firmeza quando necessário, propiciadores de uma vivência construtiva e feliz para os alunos. Finalidades que devem estar subjacentes a um projecto curricular das escolas do agrupamento


- Promover actividades curriculares propiciadoras de um sucesso real, através de boas práticas pedagógicas, atentas à diferença, diversificadas e que integrem outras formas de aprender designadamente as novas tecnologias.


- Promover, nas áreas não disciplinares mas também, transversalmente nas áreas curriculares, o respeito pelos outros e as suas ideias, procurando a abertura ao diálogo e à livre troca de opiniões, formando cidadãos capazes de julgarem com espírito critico e criativo, o meio social em que se integram e se empenham na sua transformação progressiva.


- Incentivar a transmissão de valores humanos como a solidariedade, a cooperação, a tolerância, entre outros, que formem cidadãos conscientes, críticos, íntegros, honestos e tolerantes.


- Incentivar e contribuir para a defesa da identidade nacional, reforçando a fidelidade à matriz histórica de Portugal através da consciencialização relativa ao património cultural português.


- Apoiar o desenvolvimento equilibrado e harmonizado dos jovens, promovendo actividades de diversificação curricular, num contexto de adaptação e integração a uma sociedade complexa e em mudança.


- Promover critérios de exigência e qualidade no trabalho e aprendizagem académicas dos alunos, contextualizados com os alunos de forma democrática mas firme, de forma a prevenir a ideia de que Ensino Básico é "nivelar por baixo". Há que estar atento às diferenças, aplicando pois diferentes critérios de exigência (praticar, enfim, uma avaliação criteriosa e não normativa).


Finalidades do Projecto Educativo Para obviar às problemáticas detectadas, foram definidas as seguintes metas.


-Melhorar a cooperação escola-família


-Consciencializar os encargos de educação, nas reuniões periódicas, para o papel activo que é necessário desempenhar na consecução dos objectivos definidos na Lei de Bases do Sistema Educativo.


-Melhorar gradualmente o diálogo escola-família nos seus mais variados aspectos, mesmo nos burocráticos.


-Promover o diálogo da escola com a família, sobretudo através de espaços de carácter informal (festas, colóquios e debates que promovam o encontro e a discussão aberta sobre temas pertinentes para a concretização do Projecto Educativo) -Incrementar o diálogo com a Associação de Pais, tendo em vista a realização de projectos comum interesse.


-Valorizar o papel do director de turma como elemento fundamental na ligação escola/família e aluno/escola. -Melhorar a cooperação escola-comunidade


-Promover o diálogo constante entre os órgãos de gestão e todos os elementos da comunidade educativa, nomeadamente a Autarquia, no sentido de optimizar todos os recursos disponíveis para a formação integral dos alunos.


- Optimização do espaço escolar


-Valorizar o espaço escolar e a sua qualidade estética, dado que são veículos e referências de desenvolvimento cultural.


- Diligenciar junto das autoridades competentes no sentido de ser construída uma área desportiva descoberta.


- Diligenciar junto das autoridades competentes no sentido de com a maior brevidade serem iniciadas as obras da mediateca.


-Melhorar as condições da sala de alunos e do pátio de modo a torná-los espaços agradáveis que privilegiem convívio.


-Valorização dos recursos humanos


- Estimular um espírito de colaboração entre todos os professores do ensino básico para que melhor concretizem os objectivos definidos para este nível de ensino.


- Promover a articulação vertical do currículo entre os diversos ciclos (1°, 2° e 3° ciclos).


-Promover a concretização de projectos envolvendo todos os ciclos.


-Promover jornadas pedagógicas para todos os docentes e não docentes, para que uns e outros se possam actualizar.


-Ajustar a politica de acção social escolar a situações concretas, de modo a optimizar os recursos provenientes da Administração e encontrar fontes de recursos complementares.


-Estimular a candidatura dos docentes a projectos e programas capazes de gerar inovação e optimizar os recursos da escola.


-Celebrar protocolos com o centro de saúde com o sentido deste apoiar a escola na educação para a saúde e na prestação de serviços regulares.


-Valorização das condições do processo de ensino/aprendizagem


- Dinamizar a realização de encontros periódicos dos professores dos diversos ciclos, afim de articularem o currículo de forma vertical, definirem o perfil do aluno no final de cada ciclo, definirem critérios comuns da actuação e avaliarem os resultados do trabalho desenvolvido nesse âmbito.


- Estimular o contacto dos alunos do 1 ° ciclo com a escola sede, nomeadamente através do seu envolvimento em actividades promovidas por esta escola.


- Dinamizar um programa de estudo do meio a realizar pelos 3 ciclos, em diversos patamares de aprofundamento, afim de fazer despertar o sentido de identidade com a cultura da região.


- Promover a animação da Mediateca e da Sala de Informática como os meios de promoção da Língua -Pátria e de ocupação sadia dos tempos livres.


- Dinamizar campanhas ou projectos que promovam a sensibilização dos alunos e dos encarregados de educação para temáticas como a violência, o álcool, o tabagismo e outras drogas, a higiene e limpeza, a educação para a saúde e os comportamentos inter-pessoais e cívicos.


- Estimular as actividades do Desporto Escolar em articulação e complementaridade com a disciplina de educação física como estratégia promotora da saúde e do bem-estar dos alunos.


- Considerar a formação cívica com factor essencial no percurso dos alunos, promovendo reuniões de tUrn1a, acompanhadas pelo Director de Turma, e Assembleias de Delegados por ciclo ou ano.


- Contribuir para a criação de um espírito de abertura e de aceitação face à diversidade cultural, nomeadamente através de intercâmbios com escolas de outros países.


- Implementação de actividades de complemento curricular (nomeadamente Clubes) como forma de desenvolvimento de interesses específicos e como factor de integração social.


- Apoiar projectos com características interdisciplinares promovidos por alunos, professores ou outros elementos da comunidade educativa que visem o desenvolvimento da formação integral dos jovens .


- Disponibilizar espaço (s) para o desenvolvimento de projectos/actividades.


- Criar espaços para a ocupação dos alunos para suprir a ausência temporária de algum professor. - Desenvolver todos os esforços para que todos os alunos concluam a escolaridade obrigatória com sucesso.


-Estabelecer protocolos com entidades que possam dar apoio nas áreas tecnológicas, de forma a fomentar uma aproximação sistemática dos alunos à vida activa. 1.


Disposições finais


1.1. Entrada em vigor


Este documento entra imediatamente em vigor após a aprovação da Assembleia de Escola.


l.2. Avaliação


1.2.1. Ordinária


O projecto educativo será avaliado no final de cada ano lectivo. Deverá ser criado um observatório permanente de avaliação e de diagnóstico das actividades desenvolvidas e/ou a desenvolver (Observatório de Qualidade da Escola). O Projecto Educativo da Escola será reformulado de três em três anos.


1.2.2. Extraordinária


Sempre que tal for determinado por decisão da Assembleia de Escola, sob proposta da maioria dos seus membros, ou por solicitação do Conselho Pedagógico ou do Presidente do Conselho Executivo.


Direcção Regional de Educação do Alentejo
Rua Ferragial do Poço Novo, nº 22 - Apartado 125 - 7002-555 Évora - Tel: 266 757 900 - Fax: 266 757 901
URL: http://www.drealentejo.pt
© 2004 DRE Alentejo. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Novabit